Número 309 - Ano 12

São Paulo, quarta-feira, 14 de maio de 2014

poesia.net header

«o resto é silêncio / só que o silêncio não existe» (Alejandra Pizarnik) *

facebook 


Myriam Fraga, Camões (alto),
Jorge de Lima (centro), Francisco Carvalho e Emílio Moura

 

Caros,

Durante a história do poesia.net, já tivemos alguns boletins dedicados a um tema, e não a um poeta. Foi assim, por exemplo, quando comemoramos os 400 anos de Dom Quixote (boletim n. 115); quando reunimos poemas de circunstância de Drummond e Bandeira (edição 255); textos de sete autores com o tema “espelho” (edição 261); criações para crianças, escritas por quatro poetas (edição 267); e poemas que se tornaram canções populares (edição 299).

Neste boletim, retomamos a ideia. Como o título indica, temos aqui cinco poemas inspirados em quatro passagens da Bíblia, todas do Velho Testamento. Os autores são um português, Luís Vaz de Camões, estrela-maior do idioma, e quatro brasileiros: Myriam Fraga, Emílio Moura, Jorge de Lima e Francisco Carvalho, todos já boletinizados pelo poesia.net.



JACÓ, RAQUEL E LIA

No soneto “Sete anos de pastor”, Camões (c. 1524-1580) revisita a história contada no Gênesis, na qual o amor perseverante de um homem enfrenta as artimanhas do sogro para explorar seu trabalho. Labão, criador de ovelhas, tem duas filhas, Lia e Raquel. Jacó afeiçoou-se da mais nova e propõe a Labão trabalhar sete anos para ele a fim de ter Raquel como esposa. Labão aceita o trato. Contudo, na hora de cumpri-lo, à noite, em vez de Raquel entrega ao pretendente a irmã mais velha.

Na claridade do dia, ao constatar que fora logrado, o persistente pastor faz novo acordo: servir ao sogro mais sete anos, para afinal ter a sua preferida. Observem o frescor do verso camoniano. É tudo linguagem simples e direta. E que poder de síntese! Na exígua moldura de um soneto clássico, ele conta toda a história, e ainda transmite os sentimentos do enamorado Jacó.

Embora seja um texto com mais de quatro séculos, pouquíssimas construções neste soneto traem sua idade. Para nós, brasileiros, soa hoje meio estranha a anteposição do pronome “a” (ela) à partícula negativa em “como se a não tivera merecida”. Também aí “tivera merecida” cria certo ruído aos nossos ouvidos, que pedem algo como “tivesse merecido”.

Um detalhe: se você consultar a palavra “cautela” nos dicionários Aurélio e Houaiss, vai encontrar apenas que ela é sinônima de cuidado, prevenção, prudência. Mas não é disso que fala Camões. No soneto, “cautela”, em acepção antiga, quer dizer “astúcia fraudulenta, engano, ardil” (Dicionário Caldas Aulete). À parte esses detalhes, este é um soneto que qualquer grande poeta moderno de nosso idioma teria o maior prazer em assinar.



A MULHER DE PUTIFAR

O episódio da mulher de Putifar é outra passagem interessante também encontrada no primeiro livro da Bíblia. José, hebreu que fora vendido pelos irmãos a egípcios, tornou-se um destacado administrador na corte do faraó. A mulher de Putifar, capitão da guarda do rei, tentava seduzi-lo. Como José a recusasse, ela decidiu vingar-se: fingiu que fora atacada por ele, o que resultou na prisão do hebreu.

No texto “Estória antiga”, a poeta baiana Myriam Fraga cita de passagem as provocações da esposa de Putifar, mas desloca a atenção para os sofrimentos de José, escravizado, vendido pelos irmãos, e sua prodigiosa capacidade de interpretar sonhos. Só para lembrar: segundo o Gênesis, José decifrou um sonho do faraó, antecipando os conhecidos sete anos de vacas gordas e sete anos de vacas magras do Egito.



CANÇÃO DE AMOR

E, quem diria, o Velho Testamento abriga um livro inteiro que é um poema de amor, com direito a momentos de elevada sensualidade. São os Cantares de Salomão, ou Cânticos, ou ainda Cântico dos Cânticos. O poeta mineiro Emílio Moura (1902-1971) inspira-se nesse livro para escrever seu “Cântico dos Cânticos”.

Trata-se de um elogio às belezas da mulher amada, empregando — sempre em tom bíblico — palavras do próprio poeta e trechos diretamente extraídos dos cantos salomônicos. Os versos “Os teus cabelos são como um rebanho de cabras...” e “bela como Jerusalém, terrível como um exército com bandeiras” vêm dos Cantares, capítulo 6, versículos 4 e 5.

Sempre acreditei que escrever poemas de amor é uma das tarefas mais espinhosas. E mais ainda quando se considera que, desde a Bíblia, já existiam textos do gênero tão bons como os cânticos de Salomão...



A MULHER DE URIAS

Outra figura feminina aparece no centro de mais dois poemas de matriz bíblica. Desta vez é a mulher de Urias, episódio do livro de Samuel. Davi, o rei, vê de sua janela uma mulher “mui formosa à vista”. É Betsabá, a esposa de Urias, soldado que se encontra longe, em guerra. O rei manda trazer a mulher e a seduz. Não contente, mais adiante ordena que enviem o soldado Urias à frente de batalha mais renhida para que seja ferido e morto. Livre de Urias, Davi toma Betsabá como uma de suas esposas. Um dos filhos dela será o célebre Salomão, o autor dos Cantares, que sucederá a Davi no trono.

Os dois últimos poemas de nossa seleção referem-se ambos à mulher de Urias. Em sua “Canção de Davi na janela”, o alagoano Jorge de Lima (1893-1953) põe em foco a fixação quase doentia do rei na mulher que avistou de seu terraço a banhar-se no rio.

O poeta cearense Francisco Carvalho (1927-2013) retoma o mesmo tema com uma abordagem bastante diferente. Em "Pastoral" ele imagina um diálogo entre o rei Davi e a mulher de Urias. Ela diz que seu coração é do marido, mas se rende aos desígnios do soberano. Ou seja, de um lado amor; do outro, submissão. Também é ela quem afirma que o amor do rei só viceja com o adubo da morte.

A criação de Francisco Carvalho é singular porque foge da visão patriarcal e androcêntrica — hoje se diria machista — da Bíblia. Ele dá voz crítica à mulher, enquanto no livro de Samuel, em todo esse episódio, Betsabá não pronuncia uma só palavra.

MAIS BÍBLIA

Não se pode esquecer que a Bíblia, como referência bibliográfica central de toda a cultura judaico-cristã, já serviu de inspiração para um sem-número de obras literárias. Sem parar para fazer uma pesquisa apurada, é fácil citar obras como Esaú e Jacó, de Machado de Assis, romance centrado em dois irmãos rivais, similares aos citados no livro do Gênesis. Olhai os Lírios do Campo, romance de Érico Veríssimo, tem como título uma frase atribuída a Jesus Cristo e é parte do chamado sermão da montanha (Mateus, 6:24-33 e Lucas, 12:20-32).

O romancista português José Saramago (1922-2010) escreveu dois romances baseados na Bíblia. No primeiro, O Evangelho Segundo Jesus Cristo (1991), Saramago reescreve os evangelhos conforme o ponto de vista de um Cristo que não é Deus e, na condição de homem, revolta-se contra o sofrimento e a morte. Em Portugal, a Igreja Católica moveu acirrada campanha contra o livro de Saramago, que terminou por receber alguns vetos oficiais "por atentar contra a moral cristã". Em protesto à inaceitável censura, o escritor abandonou seu país e foi morar na ilha de Lanzarote, Espanha.

No outro romance, Caim (2009), Saramago usa de toda a sua irreverência para reinterpretar os passos de Caim, personagem do Gênesis, conhecido por ter assassinado o irmão Abel. Mais uma vez, a crítica religiosa bateu pesado no livro. Mas a essa altura o autor já recebera o Prêmio Nobel em 1995 e a grita por  censura perdera o efeito.

Também vêm à memória poemas que fazem referência a episódios bíblicos. Em “O Operário em Construção”, de Vinicius de Moraes, o patrão leva o operário ao alto de uma construção e tenta corrompê-lo, prometendo-lhe mundos e fundos, desde que o trabalhador passe a lhe dizer sim. "E o operário disse: Não!"

O poeta Vinicius traz para o contexto das lutas sociais o que está no Novo Testamento, no livro de Lucas, cap. 5, vs. 5-8. Depois de jejuar durante quarenta dias e quarenta noites, Cristo é tentado pelo Diabo, que lhe oferece “todos os reinos do mundo”. Pede em troca “apenas” que Cristo se prostre e o adore. A proposta, obviamente, é recusada com o famoso Vade retro Satana — “Afasta-te, Satanás”.

O mesmo episódio é retomado no poema “A Máquina do Mundo”, exuberante épico de Carlos Drummond de Andrade. O prodigioso aparelho “se entreabre” no meio de uma estrada mineira e oferece ao viandante solitário todas as suas riquezas — não materiais mas de conhecimentos, “a total explicação da vida”. O homem tentado, sem dúvida um alter ego de Drummond, afinal declina a oferta maravilhosa. Não há, aqui, uma proposta direta de pacto mefistofélico, mas a matriz é a mesma.

Outro momento — já citado no boletim n. 270 — é a bem-humorada crônica “Ai de ti, Copacabana”, de Rubem Braga, uma paródia às invectivas contidas no livro de Jeremias contra as abominações e a luxúria de Jerusalém.

Se pararmos para lembrar e pesquisar, uma avalanche de outros títulos vai aparecer. E observem que aqui estão citadas apenas obras que partem da Bíblia como referência cultural, sem nenhum caráter religioso.

Um abraço, e até a próxima,

Carlos Machado

 

                      •o•

 

BETSABÁ, BETHSABÉ

Depois de já ter pronto este boletim, descobri outro poema sobre a mulher de Urias, o soneto "Bethsabé" (variação do nome Betsabá), escrito pelo poeta e tradutor mineiro Ivo Barroso. Nos catorze versos de Barroso, depois de fazer tudo para ter a mulher que desejava ("Por ti, o próprio Deus eu afrontara!"), Davi simplesmente a despreza: "Ó tu, que eras a forma da Mulher — / tenho-te agora e não te quero mais!". O soneto está no livro A Caça Virtual e Outros Poemas (Record, 2001).

 

                      •o•


LANÇAMENTO

Escoiceados
 Donizete Galvão


donizete galvão - escoiceadosA Musa Editora lança o livro Escoiceados, do poeta Donizete Galvão (1955-2014), desaparecido no final de janeiro. Haverá também um sarau em homenagem ao autor.


Data: 14/05, quarta-feira
Hora: 19h00 às 21h30
Local: Casa das Rosas
Espaço Haroldo de Campos de Poesia
Av. Paulista, 37 - Bela Vista 
São Paulo - SP

 



 

Cinco poemas inspirados na Bíblia

Luís Vaz de Camões, Myriam Fraga, Emílio Moura,

Jorge de Lima e Francisco Carvalho


 

Louis Gauffier - Jacob
Louis Gauffier, francês, Jacó com as filhas de Labão

 

1. Luís Vaz de Camões 


SETE ANOS DE PASTOR

Sete anos de pastor Jacó servia
Labão, pai de Raquel, serrana bela;
mas não servia ao pai, servia a ela,
e a ela só por prêmio pretendia.

Os dias, na esperança de um só dia,
passava, contentando-se com vê-la;
porém o pai, usando de cautela,
em lugar de Raquel lhe dava Lia.

Vendo o triste pastor que com enganos
lhe fora assim negada a sua pastora,
como se a não tivera merecida;

começa de servir outros sete anos,
dizendo: — Mais servira, se não fora
para tão longo amor tão curta a vida.




Guido Reni - José com a mulher de Putifar
Guido Reni, italiano, José com a mulher de Putifar


2. Myriam Fraga 


ESTÓRIA ANTIGA

A mulher de Putifar
Chegou-se de mansinho,
Beijou-me a descarada!
Com seu sujo carmim.

As ancas abauladas,
Dançando ao som de cítaras,

Tentou-me com seus laços,
Cercou-me com seus guizos,
Rolando no tapete
Enfurecida, aos gritos.

Enquanto isso, eu,
Pobre José do Egito,
Vendido como um porco,
Caçado como um bicho,

Chafurdando no pó
De tão grande suplício,

Buscava decifrar,
Nas areias do Nilo,
Os sonhos de faraó
E minhas próprias esfinges.

         
Salvador, setembro, 1998


He Qi - Song of Solomon
He Qi, pintora contemporânea chinesa, Cântico de Salomão

 

3. Emílio Moura 


CÂNTICOS DOS CÂNTICOS

Vieste do Cântico dos Cânticos:
“Os teus cabelos são como um rebanho de cabras...”

Ainda agora, não sei por quê,
sonho que surges diante de mim,
como quem desce do Líbano.

Esta paisagem de relva macia,
de montes ásperos,
de ovelhas,
este perfume de resina, este cheiro forte de anêmonas...

Sinto que vais descer,
bela e terrível,
“bela como Jerusalém,
terrível como um exército com bandeiras”.



WIllem Drost - Betsebá com carta do rei David
Willem Drost, holandês, Betsabá com carta do rei Davi (1654)



4. Jorge de Lima 


CANÇÃO DE DAVI NA JANELA

A mulher de Urias estava tomando banho.
Eu vi a mulher de Urias.
Peitos mais belos eu nunca vi.
Quebrei a cítara, versos não faço,
eu vi a mulher de Urias,
peitos mais belos nunca hei de ver.
A mulher de Urias estava tomando banho
em frente ao meu palácio.
Quero a mulher de Urias,
nunca vi corpo mais belo.
Quebrei a cítara, salmos não faço,
trono não quero, guerras parai.
Só quero a mulher de Urias.
Peitos mais belos eu nunca vi.
Se olho as nuvens, se desço à terra
vejo os dois peitos.
A mulher de Urias estava tomando banho
no riozinho que passa
em frente de meu palácio:
eu via a mulher de Urias.
Não sou mais poeta,
troco meu trono
pelos dois peitos.
Se olho o mundo vejo os dois peitos.
Se olho o céu vejo os dois peitos.
Não sou mais rei, versos não faço.
Trono não quero.
Só quero a mulher de Urias.



Jan Massys - Davi e Betsebá
Jan Massys, holandês, Davi e Betsabá (1562)
 

5. Francisco Carvalho


PASTORAL

Estava eu na sacada
do meu palácio de rei.
De repente te avistei.

       Enquanto Urias guardava
       teus rebanhos, grande rei
       longas tristezas passei.

Foi esta a primeira vez
que me senti aturdido
pelo vinho da nudez.

       Meu coração é de Urias
       mas minha alma te pertence
       grande rei, todos os dias.

Tão bela como um fanal
tu te banhavas nas águas
da minha fonte real.

       Grande rei, os meus cabelos
       são mais crespos e volúveis
       que as barbas ruivas dos deuses.

Sabes que um rei pode tudo.
Tem mansidões de uma pomba
e coração de verdugo.

       Meu coração é de Urias
       mas me rendo a teus desígnios
       pelo resto dos meus dias.

Amor de rei não se dobra.
Preciso matar Urias
como se mata uma cobra.

       Amor de rei é tão forte
       que só viceja e dá fruto
       no adubo negro da morte?



poesia.net
www.algumapoesia.com.br
Carlos Machado, 2014



•  Luís Vaz de Camões
    in Sonetos
•  Myriam Fraga 
    in Poesia Reunida, Ass. Legislativa da Bahia, Salvador, 2008
•  Emílio Moura 
    in Itinerário Poético - Poemas Reunidos
    Editora UFMG, 2a. ed., Belo Horizonte, 2012
•  Jorge de Lima 
    in Poesia Completa (volume único),
    Nova Aguilar, Rio de Janeiro, 1997

•  Francisco Carvalho 
    in Memórias do Espantalho - Poemas Escolhidos,
    Imprensa Universitária da UFC, Fortaleza, 2004

______________
* Alejandra Pizarnik, "En esta noche, en este mundo", 
   in Poesía Completa