Número 331 - Ano 13

São Paulo, quarta-feira, 6 de maio de 2015

poesia.net header

«As palavras não sabem o que eu penso.» (Dante Milano) *

facebook 

Dalila Teles Veras
Dalila Teles Veras


Amigas e amigos,

Uma das características que saltam aos olhos na poesia de Dalila Teles Veras é sua íntima adesão à realidade, ao fato cotidiano, ao acontecimento destituído de contornos previamente convencionados como “poéticos”. Esta observação era verdadeira quando a poeta compareceu pela primeira vez a esta revista eletrônica (no boletim n. 72, onze anos atrás) e continua válida até agora.


Naquela edição já quase remota, o boletim mostrava poemas de Dalila contidos no volume Vestígios (2003). Nesse livro, a autora reúne poemas escritos com base em uma experiência dolorosa: o desaparecimento da mãe, após a convivência com médicos, hospitais e tecnologias curativas. Peripécias do cotidiano. Desassossego.

•o•

Desta vez, os poemas que compõem a microantologia do boletim foram extraídos de duas outras coletâneas de Dalila Teles Veras: Retratos Falhados (2008) e Estranhas Formas de Vida (2013). Do primeiro, selecionei quatro momentos breves nos quais a poeta consegue extrair poesia de situações inusitadas. Peripécias do cotidiano. Desassossego.

Em “Becos” faz-se um paralelo entre os prudentes conselhos de mãe e os caminhos que o filho ou filha acaba escolhendo pela vida afora. O conselho manda ir pelo caminho reto, para evitar as surpresas dos becos e veredas tortuosas. No poema percebe-se que “as descobertas se revelam apenas no entrecruzar do caminho” e que só se realizam conquistas depois de completar a “saída do labirinto”. Enfim, cautelosa mamãe: viver é perigoso, como repete o jagunço-filósofo Riobaldo. E sempre se há de correr algum risco.

O poema “Bancos” retrata aquele momento desagradável em que a cidadã ou o cidadão é barrado na porta giratória do banco. Com ironia, diz o texto: “a cidadã é barrada à entrada do recinto destinado aos deuses protetores dos juros e dos índices bovespa e dow jones”.

Na “Sala de Espera Quatro”, ocorre um diálogo trivial e, ao mesmo tempo, técnico ― mais uma vez, orientado pelos imbatíveis cuidados maternos. De mãe para futura mãe, conselhos e informações úteis sobre o bebê e o exaustivo exercício da maternidade. De todo modo, avisa a mais experiente: “Dói, mas passa”.

Dos quatro poemas extraídos de Retratos Falhados, “As Faxineiras do Edifício” representa o momento mais pungente. Sim, as mulheres do título cantam, apesar de tudo.

Vem, por fim, o poema “Dúvidas Amorosas”, pertencente ao volume Estranhas Formas de Vida. Mais uma vez, o ponto de partida é algo trivial (na rua, não na poesia): um cartaz colado num poste com anúncio de pessoa com poderes mágicos capazes de volta a pessoa amada. Pelo que se entende, não só trazê-la como “amarrá-la”, para nunca mais sair. Ao que pergunta, com ironia, a poeta: “amor amarrado ama?”

•o•

Dalila Teles Veras é luso-brasileira. Nasceu na ilha da Madeira (1946), mas vive no Brasil desde 1957. Poeta e cronista, tem mais de uma dúzia de títulos publicados. Ativista cultural, coordenou diversos projetos de divulgação literária. Foi diretora e secretária-geral da União Brasileira de Escritores (SP). Desde 1992, Dalila criou e dirige um ambiente cultural próprio, a Alpharrabio, um misto de livraria, editora e espaço para eventos, com sede em Santo André, na área metropolitana de São Paulo.


Para saber mais sobre a escritora, visite seu site:
www.dalila.telesveras.nom.br


Um abraço, e até a próxima.

Carlos Machado




•o•

Visite o poesia.net no Facebook:

facebook

Com a poesia, no meio da rua

Dalila Teles Veras


 
 
Sarah Sedwick - Red Plum Bowl
Sarah Sedwick, americana, Tigela com ameixas vermelhas




BECOS

quem tem caminho reto não se mete em vereda, aconselhava-
me a mãe, o medo do sobressalto a escorrer do afeto, sem
saber que as descobertas se revelam apenas no entrecruzar do
caminho e a conquista à saída do labirinto

os becos e seus inocentes nomes de santos não atendem à
demanda de mercado, insignificantes artérias esquecidas,
deixam que a cidade cresça ao seu redor e ficam ali, pulsantes
e vingados, tênues sopros de resistência e muda contestação,
negação ao gigantismo, sedução para o não cumprimento do
conselho




Sarah Sedwick - The Brown Dress
Sarah Sedwick, O vestido marrom 




BANCOS

a despeito de todas as precauções em depositar no lugar
apropriado tudo aquilo que lhe pareceu suspeito (óculos,
celular, chaves), o autoritário equipamento detector de metais
dispara. a cidadã é barrada à entrada do recinto destinado aos
deuses protetores dos juros e dos índices bovespa e dow jones.
espoliada de sua dignidade, a humilhada ré descobre que um
prosaico batom esquecido na bolsa fora o causador do suposto
atentado. finalmente liberada, resta ainda enfrentar os olhares
em fila, irados pela demora e que, ato contínuo, despem-se de
seus pertences, rumo à esperança da própria liberação




Sarah Sedwick - Pink lily by the window
Sarah Sedwick, Lírio cor-de-rosa junto à janela




SALA DE ESPERA QUATRO

mãe recente, bebê ao colo, para a mãe em vias de:
— cresce cinco milímetros por dia, engorda trezentos gramas ao mês,
emagrece depois de nascido, mas recupera o peso após o primeiro
mês de vida. engordei quinze quilos, um horror! dura espera, dói, mas
passa...

a vida-matemática, certeira e fatalista




Sarah Sedwick - Pretty in pink
Sarah Sedwick, Beleza cor-de-rosa



AS FAXINEIRAS DO EDIFÍCIO


surpreendentemente
(não obstante os dez mil, quatrocentos e trinta e um degraus,
os oito mil, trezentos e vinte metros quadrados de piso, as
quatrocentas e quinze vidraças e as três toneladas de lixo à
espera de varrição, transporte e limpeza)
cantam...





Sarah Sedwick - Nia
Sarah Sedwick, Nia




DÚVIDAS AMOROSAS


         Vê como os búzios caíram
         Virados p'ra Norte
         Pois eu vou mexer no destino
         Vou mudar-te a sorte

                 Os búzios, Jorge Fernando




AMARRAMENTO INFALÍVEL
TRAGO A PESSOA AMADA EM 7 DIAS
(cartaz colado em poste de luz)

que tipo de corda amarra o amor?
qual o tipo de nó?

(marceneiro
marinheiro
escoteiro
construtor?)

depois de amarrado, que é feito do amor?

(sete dias para atar — quantos para desatar?)

amor amarrado ama?




poesia.net
www.algumapoesia.com.br
Carlos Machado, 2015


Dalila Teles Veras
* "Becos", "Bancos", "Sala de Espera Quatro",
   e "As Faxineiras do Edifício"
   In Retratos Falhados
   Escrituras, São Paulo, 2008
* "Dúvidas Amorosas"
   In Estranhas Formas de Vida
   Dobra/Alpharrabio, São Paulo, 2013

_____________
* Dante Milano, de "Poemas de um verso", in Obra Reunida,
  ABL, Rio de Janeiro, 2004

______________
- Imagens: trabalhos da jovem pintora americana Sarah Sedwick (Ohio, 1979)