Número 366 - Ano 14

São Paulo, quarta-feira, 16 de novembro de 2016

poesia.net header

«De repente a mentira / põe os seus ovos de ouro em nossa algibeira.» (Francisco Carvalho) *

facebook 

António José Forte António José Forte



Amigas e amigos,

O poeta português António José Forte (1931-1988) é praticamente desconhecido no Brasil. Eu também o conhecia apenas de nome e de alguma referência passageira como autor ligado ao surrealismo.

No entanto, há alguns meses, uma amiga portuguesa me presenteou com um exemplar de Uma Faca nos Dentes, volume que reúne toda a poesia de António José Forte, prefaciado pelo poeta Herberto Helder e ilustrado pela pintora Aldina.

António José Fortes trabalhou na Fundação Galouste Gulbenkian, entidade cultural na qual exerceu, durante mais de vinte anos, a função de encarregado das bibliotecas itinerantes.

Estreou em poesia com o título 40 Noites de Insônia de Fogo de Dentes numa Girândola Implacável e Outros Poemas (1958), ao que se seguiram Azuliante (1984), Caligrafia Ardente (1987) e Corpo de Ninguém (póstumo, 1989). Esses títulos estão reunidos no citado volume Uma Faca nos Dentes, de 2003. Ao que me conste, nenhum livro de Forte foi lançado no Brasil.

•o•

Ligado ao movimento surrealista nos anos 1950, o poeta integrou o Grupo do Café Gelo, em Lisboa, do qual também fizeram parte nomes como os poetas Mário Cesariny e o já referido Herberto Helder, entre vários outros menos (ou não) conhecidos no Brasil.

O ambiente desses surrealistas portugueses é o pós-guerra, em plena ditadura salazarista. Maria de Fátima Marinho *, estudiosa do movimento, diz que Forte, não podendo responder à pergunta “O que pode um homem desesperado quando o ar é um vómito e nós seres abjectos?”, buscava refúgio no absurdo e no nonsense.

Obviamente, sentir-se um ser abjeto corresponde à situação de mal-estar e impotência diante do arbítrio, “quando o ar é um vômito”. Não por acaso, Forte filiava-se à corrente surrealista portuguesa identificada como “abjecionismo”. Quem contestava o sistema de forma explícita estava na prisão ou no exílio. Aos abjecionistas restava, pois, o humor macabro e o contrassenso. Para a poesia, uma saída possível em tempos de infâmia.

•o•

A obra poética de António José Forte não é extensa. Uma Faca nos Dentes, a reunião de seus textos, constitui um volume magro. Dele selecionei seis poemas.

Começo com “O Poeta em Lisboa”, que é exatamente o poema de Forte mais citado. Mesmo sem manter regularidade métrica, a leitura flui de forma natural e o despropósito das frases, pontilhado pelas rimas, confere ao texto um sabor todo especial. O poeta “não pensa no fim do mês. / A noite é a sua única certeza”.

“Desobediência Civil” é o próximo poema. Trata-se de um texto longo, do qual transcrevo aqui apenas o trecho final. Em meio aos aparentes disparates costumeiros, o humor cáustico e as pequenas provocações: “porque a língua portuguesa não é a minha pátria / a minha pátria não se escreve com as letras da palavra pátria”. Num só jato, o poeta recusa a pátria sob o salazarismo e ainda inverte a frase do maior ícone da modernidade lusa, Fernando Pessoa.

•o•

Os textos seguintes têm todos o mesmo título: “Poema”. Para distingui-los, acrescentei, entre colchetes, os números de 1 a 4. Em “Poema [1]”, o poeta oferece um exemplo acabado de humor macabro. Alguém “escutou atentamente a música das esferas / e não lhe achou sentido”. Então, suicida, disparou um tiro no ouvido.

“Poema [2]” descreve outra cena de nonsense, esta sem morbidez e até com alguma dose de graça. Trata-se de um banquete ao qual as musas comparecem nuas e os poetas de gravata (vestidos ou nus?). O cardápio inclui vinhos, lagostas e “carne de licorne” — ele mesmo, aquele animal fabuloso de chifre único. No final, aqui a lógica prevalece, “os poetas e as musas / saem pelo espaço / em camas voadoras”.

No “Poema [3]” António José Forte nos conta a história de um sábio que não sabia fumar cachimbo. “Mas a mulher do sábio sabia”. E a vida segue. Vem, por fim o “Poema [4]”, mais um pequeno texto de completo nonsense. Vale observar que, nas criações de Forte, sempre aparecem “terras de ninguém” (veja-se “Desobediência Civil”), “mares de ninguém” (há no livro um poema chamado “Mar de Ninguém”) e, neste último poema, “o corpo de ninguém”.

•o•

Nesta edição, conforme se pode ver no cabeçalho desta página, o poesia.net começa a comemorar seus 14 anos de existência, que serão completados em 12 de dezembro.


Abraço, e até a próxima,

Carlos Machado



•o•


LANÇAMENTOS

Dois eventos ainda neste mês, um em São Paulo e o outro no Rio de Janeiro.


No Chão da Fábrica
• Roniwalter Jatobá


Roniwalter Jatobá - No chão da fábricaO escritor mineiro-baiano Roniwalter Jatobá comemora 40 anos de literatura com o lançamento de No Chão da Fábrica – Contos e Novelas, volume que reúne histórias centradas na classe operária. O livro sai pela Editora Nova Alexandria.


Quando:
Sexta-feira, 18/11/2016,
das 18h às 21h

Onde:
Casa das Rosas
Avenida Paulista, 37 - Metrô Brigadeiro
São Paulo, SP




No Reverso do Viés
• Amélia Alves


Amélia Alves - No reverso do viésA poeta fluminense Amélia Alves lança no Rio de Janeiro, no dia 28/11, sua quarta coletânea de poemas, No Reverso do Viés, publicada pela Ibis Libris Editora.



Quando:
Segunda-feira, 28/11/2016,
das 19h às 22h

Onde:
Blooks Livraria
Praia de Botafogo, 316, lojas D e E
Rio de Janeiro, RJ



•o•

Curta o poesia.net no Facebook:

facebook


•o•



Poesia em tempos de infâmia

António José Forte


 


Golnaz Afraz - L'ombre jaune (2016)
Golnaz Afraz, pintora iraniana, A sombra amarela (2016)



O POETA EM LISBOA

Quatro horas da tarde.
O poeta sai de casa com uma aranha nos cabelos.
Tem febre. Arde.
E a falta de cigarros faz-lhe os olhos mais belos.

Segue por esta, por aquela rua
sem pressa de chegar seja onde for.
Pára. Continua.
E olha a multidão, suavemente, com horror.

Entra no café.
Abre um livro fantástico, impossível.
Mas não lê.
Trabalha — numa música secreta, inaudível.

Pede um cigarro. Fuma.
labaredas loucas saem-lhe da garganta.
Da bruma
espreita-o uma mulher nua, branca, branca.

Fuma mais. Outra vez.
E atira um braço decepado para a mesa.
Não pensa no fim do mês.
A noite é a sua única certeza.

Sai de novo para o mundo.
Fechada à chave a humanidade janta.
Livre, vagabundo
dói-lhe um sorriso nos lábios. Canta.

Sonâmbulo, magnífico
segue de esquina em esquina com um fantasma ao lado
Um luar terrífico
vela o seu passo transtornado.

Seis da madrugada.
A luz do dia tenta apunhalá-lo de surpresa.
Defende-se à dentada
da vida proletária, aristocrática, burguesa.

Febre alta, violenta
e dois olhos terríveis, extraordinários, belos.
Fiel, atenta
a aranha leva-o para a cama arrastado pelos cabelos.



Golnaz Afraz - La voie du silence (2014)
Golnaz Afraz, A voz do silêncio (2014)



DESOBEDIÊNCIA CIVIL

                         (trecho final)


se a preguiça encantadora dos homens
deve acabar a sua obra e a sua língua de fogo
unir os dias e as noites do desejo
então saudemos as grandes afirmações:
«a poesia deve ser feita por todos» e
«a poesia é feita contra todos»

os devoradores de cultura podem sair pela esquerda alta
fiquem os amantes obscuros e o único os raros
todos os nus
porque a língua portuguesa não é a minha pátria
a minha pátria não se escreve com as letras da palavra pátria

Vede
sobre a coroa de silêncio do vulcão adormecido
uma ave a sua plumagem de cores trémulas
e as asas que escrevem letra a letra o nome definitivo do homem
e no entanto multidões de gnomos
cada qual com o seu estandarte
esperam à entrada dos cemitérios
para saudar o fogo-fátuo

eu passo de bicicleta à velocidade do amor
atravesso a terra de ninguém com um dia de chuva na cabeça
para oferecer aos revoltados



Golnaz Afraz - Apparence (2014)
Golnaz Afraz, Aparência (2014)



POEMA [1]

Lá vai de viagem após o tiro no ouvido
o que escutou atentamente a música das esferas
e não lhe achou sentido

Afinal o problema que durante anos
lhe consumiu energias e o fez estudar como um bruto
resolveu-o num minuto

Uma fractura craniana
simples decidida no momento exacto
pô-lo frente à realidade, de facto



Golnaz Afraz - L'homme transparent (2014)
Golnaz Afraz, O homem transparente (2014)



POEMA [2]

Para o banquete com talheres de prata
chegam os poetas com as musas ao colo
elas todas nuas
eles de gravata

servem-se as lagostas
ao som do piano
e depois a carne
carne de licorne desce de aeroplano

tudo com muitos vinhos
de vários sabores
por copos infindos
como são os amores

e após o banquete
entre aves canoras
os poetas e as musas
saem para o espaço
em camas voadoras



Golnaz Afraz - Find Here (2015)
Golnaz Afraz, Encontre aqui (2015)



POEMA [3]

Um sábio
não sabia fumar cachimbo

mas a mulher do sábio sabia

quando o sábio chorava
por não saber fumar cachimbo
a mulher do sábio sorria

e assim durante meses e anos

até que
no dia em que o sábio sabia que morria
não disse à mulher que sabia

por isso quando ele chorava
a mulher do sábio sorria



Golnaz Afraz - Sans fin (2015)
Golnaz Afraz, Sem fim (2015)



POEMA [4]

Na paisagem que amanhece
jaz o corpo de ninguém

maior do que a noite
e os olhos que ela tem

jaz um pouco de lado
voltado para a lua

coberto de nada
na paisagem nua

nunca teve um nome
não espera o Além

o corpo que jaz
e é de ninguém




poesia.net
www.algumapoesia.com.br
Carlos Machado, 2016


António José Forte
    • Uma Faca nos Dentes
     
  Prefácio de Herberto Helder, ilustrações de Aldina
       Parceria A.M. Pereira, Lisboa, 2003
___________________
* Maria de Fátima Marinho, citada na dissertação de mestrado “António José Forte 1931-1988: Proposta de leitura amarrotada e ruminante ou Imitação dos bois sem ferro de engomar” (Lisboa, 2004), de Maria José Vitorino Gonçalves.
______________
* Francisco Carvalho, "Tanatologia", in Rosa dos Eventos (1982)
_______________
* Imagens: quadros da pintora iraniana residente na França Golnaz Afraz (1981-)