Número 383 - Ano 15

São Paulo, quarta-feira, 23 de agosto de 2017

poesia.net header

«Quimonos secando / ao sol. Oh aquela manguinha / da criança morta.» (Bashô)

facebook 
Uaçaí Lopes
Uaçaí Lopes



Amigas e amigos,

Em 2003, na edição n. 17, bem no início da jornada desta publicação, organizei um boletim somente com haicais escritos pelo poeta paulista Guilherme de Almeida (1890-1969), um dos mais destacados cultores dessa forma poética no Brasil.

Neste boletim, retorno ao haicai. Desta vez o poeta em relevo é o baiano Uaçaí Lopes (Feira de Santana, 1957), que também se debruçou sobre a produção desses micropoemas de origem japonesa. Doutor em educação pela UFBA, Uaçaí é professor titular aposentado da Universidade Estadual de Feira de Santana.

Na área da poesia, Uaçaí Lopes participou do grupo que se reuniu em torno da revista Hera (1972-2005) em Feira de Santana. Publicou os seguintes livros de poemas: Caminhos (1986); Digressões acerca do conteúdo do armário (2001); e Voo do assanhaço (2003). Neste último está reunida a maior parte dos haicais produzidos pelo autor.

•o•

Em quase todos os seus haicais, Uaçaí Lopes segue as propostas de Guilherme de Almeida. Na tradição nipônica, o haicai é uma composição poética sem rimas, dividida em três versos de 5, 7 e 5 sílabas.

Há ainda outros preceitos. Em geral, o haicai tradicional contém  observações sobre a natureza, especialmente sobre as estações do ano. Há numerosíssimos haicais de outono, da primavera etc.

Guilherme de Almeida adotou o poemeto japonês, mas resolveu criar para seus haicais uma estrutura sofisticada e bastante pessoal. Ele manteve os três versos de 5-7-5 sílabas, mas introduziu duas rimas no formato a-bb-a. Ou seja, o primeiro verso rima com o terceiro; e o segundo contém uma rima interna, localizada nas sílabas tônicas 2 e 7. Exemplo:

INFÂNCIA

Um gosto de amora
comida com sol. A vida
chamava-se “Agora”.

O título foi outro item introduzido por Guilherme de Almeida. O clássico haicai não tem título. Com essas regras, o poeta paulista escreveu dezenas de poemetos.

•o•

Quase todos os haicais de Uaçaí Lopes que escolhi para este boletim já apareceram na página do poesia.​net no Facebook, na forma de cartões poéticos. O último publicado lá foi esse que fala da lua refletida nas poças d’água (com outra imagem). Obteve recepção tão calorosa dos visitantes que me deu a ideia de produzir este boletim.

Resolvi também compartilhar, com os assinantes que recebem o poesia.​net por e-mail, os cartões poéticos veiculados no Facebook baseados em haicais de Uaçaí Lopes. Assim, trago da rede social algo que o pessoal do e-mail normalmente não tem a oportunidade de ver.

•o•

Os haicais são composições tão exíguas que não dão espaço para muitos comentários. É ler e sentir. Praticante do haicai à la Guilherme de Almeida ─ o padrão “guilhermino”, como gosta de dizer ─, Uaçaí Lopes aproxima o poemeto nipônico das coisas de sua região.

Isso pode ser visto, ao lado, no poema sobre a festa de Iemanjá em Salvador, no dia 2 de fevereiro, e no texto seguinte, sobre o jangadeiro. Dos sete cartões poéticos reproduzidos aqui, somente o penúltimo não foi mostrado no Facebook.

Uma observação técnica: o haicai sobre a festa de dois de fevereiro (o segundo da sequência) prova que a  proposta de Guilherme de Almeida também admite variações. Como vimos, o padrão “guilhermino” propõe que a rima interna no segundo verso ocorra na 2ª e na 7ª sílabas. Nesse haicai, Uaçaí Lopes usa as sílabas 3 e 7 ─ e obtém, do mesmo jeito, um resultado bastante harmonioso e equilibrado.

Um abraço, e até a próxima,
Carlos Machado




•o•

Curta o poesia.​net no Facebook:

facebook




•o•



Poeta da carne e do tempo
— sarau
• Organização: Vera Lúcia de Oliveira


Sarau

Sarau em homenagem ao poeta Donizete Galvão (1955-2014), realizado por poetas que conviveram com o autor de O Homem Inacabado, entre outros livros, e que conhecem e admiram sua poesia.

Quando:
Terça-feira, 29 de agosto,
às 19 horas

Onde:
Casa das Rosas
Av. Paulista, 37 - Paraíso
São Paulo, SP


•o•



Miss Bishop vai à feira

Sobre o seu reconhecimento no Brasil, Elizabeth Bishop cultivava, com ironia e prazer, uma série de casos engraçados. Certa vez, em Petrópolis, ela foi reconhecida por um feirante, que viu sua foto no jornal na época em que ganhou o Prêmio Pulitzer; depois de ter a confirmação de que se tratava da mesma pessoa, o verdureiro comentou: “Dou tanta sorte às minhas freguesas! Na semana passada, teve uma que ganhou uma enceradeira”.

• José Alberto Nemer, no artigo “Elizabeth Bishop, poesia no cotidiano”, Suplemento Literário de Minas Gerais, jan/fev 2017.


•o•

Haicais com sotaque baiano

• Uaçaí Lopes




poesia.net - cartão poético 1




O apito do trem.
Partida sem despedida
— na estação ninguém.

   

poesia.net - cartão poético 2




Ah! Quanto veleiro!
Salvador, o mar em flor:
dois de fevereiro.




poesia.net - cartão poético 3




Partiu a jangada.
No vento nenhum alento,
no porto a amada.




poesia.net - cartão poético 4




Após a invernada,
a lua banha-se nua
nas poças da estrada.




poesia.net - cartão poético 5




Como um jarro antigo,
quanto mais velho mais caro.
Assim, o amigo.




poesia.net - cartão poético 6




Lembrança incômoda.
Teu retrato não me esquece
sobre a nossa cômoda.




poesia.net - cartão poético 7




Teu nome na areia
— junto ao meu eternamente,
até a maré cheia.





poesia.​net
www.algumapoesia.com.br
Carlos Machado, 2017



Uaçaí Lopes
  • in Voo do Assanhaço
  Edições Açaí, Salvador, 2003
______________
* Matsuo Bashô (Japão, 1644-1694), trad. Manuel Bandeira,
  in Poemas Traduzidos (1945)
______________
* Imagens: Cartões poéticos do poesia.​net no Facebook