Número 474 - Ano 19

Salvador, quarta-feira, 29 de setembro de 2021

poesia.net header

«Eu, sempre que parti, fiquei nas gares / olhando triste para mim...» (Mario Quintana) *

Compartilhe pelo WhatsApp

facebook 
4poetas
Guilherme de Almeida, Uaçaí Lopes, Cassiano Ricardo, Manuel Bandeira, Fernando Mendes Vianna, Carlos Drummond de Andrade



Amigas e amigos,

Na edição 464, em abril deste ano, o poesia.​net reuniu oito autores com poemas que, de alguma forma, põem o sol em primeiro plano. Ao receber o boletim, o poeta e teatrólogo brasileiro-francês Pedro Vianna me escreveu sugerindo um boletim centrado na lua.

Esta edição atende à sugestão de Vianna. Pesquisei no acervo do boletim e localizei seis poetas e seis poemas voltados para a lua. Naturalmente, como esta página não pode ser caracterizada como romântica ou marcadamente metafísica, a faceta lunar que menos aparece nos poemas escolhidos é a “lua dos namorados” ou o astro dos mistérios e assombrações.

Na seleção ao lado juntam-se seis poetas. Primeiro, o paulista Guilherme de Almeida ((1890-1969) e o baiano Uaçaí Lopes (1957-). Em seguida, vem o paulista Cassiano Ricardo (1895-1974) e o carioca Fernando Mendes Vianna (1933-2006). Por fim, dois pesos-pesados da poesia: o pernambucano Manuel Bandeira (1886-1967) e o mineiro Carlos Drummond de Andrade (1902-1987).

•o•

Guilherme de Almeida
poesia.​net n. 17

Uaçaí Lopes
poesia.​net n. 383

Comecemos com dois haikais de lua molhada. Primeiro, Guilherme de Almeida, com “Noturno”; e depois Uaçaí Lopes(1957-), com “[Após a invernada]”. Os dois poetas escrevem sobre a mesma lua refletida nas poças do chão. Almeida descreve uma imagem urbana, enquanto Lopes mira os múltiplos reflexos do satélite no leito de estrada, após a chuva, em ambiente aparentemente rural.

•o•


Cassiano Ricardo
poesia.​net n. 295

Vem a seguir a “Lua Cheia”, de Cassiano Ricardo. Aqui, por meio das metáforas do poeta de São José dos Campos-SP, o disco lunar se apresenta como um botijão de leite que vai pingando luz branca pelo caminho. Esta lua corresponde à formulação mais antiga entre todas as que aparecem ao lado. Cassiano publicou este poema no livro Martim Cererê, de 1928, ainda sob os primeiros influxos do modernismo de 1922.

•o•


Fernando Mendes Vianna
poesia.​net n. 333

O poeta Fernando Mendes Vianna nos traz a primeira lua mais agitada. Seu poema “Litania Feroz” mostra um satélite ligado a conhecidos fenômenos físicos como a gravidade e as marés. Mas o texto também conecta a lua ao “uivo longo” que provoca em seres humanos supostos procedimentos aluados. “Tempestuosa lua, lua feroz, / uivo no espaço, dentro de nós”. O uivo também remete a lobos, lobisomens e outros seres que, ao longo dos séculos, as histórias populares costumam associar à lua.

•o•


Manuel Bandeira
poesia.​net n. 335

Manuel Bandeira, no poema “Satélite”, de seu livro Estrela da Tarde (1950), traz à cena outra lua: o astro que, em nosso sistema solar, gira como um satélite da Terra. Observe-se, aliás, que Bandeira escreve Lua, com inicial maiúscula, para sinalizar essa condição astral, assim como também se grafam os nomes de Vênus, Marte, Plutão. Uma “Lua baça/ (...) / Muito cosmograficamente / Satélite”.

Para que não haja dúvida, na segunda estrofe, Bandeira desveste o astro de qualquer atribuição metafísica: não é a lua dos namorados nem dos loucos, nem inspiração para pensamentos misteriosos e românticos. É apenas um satélite.

Um detalhe: este poema de Bandeira é o único dos seis transcritos ao lado que não havia sido publicado antes neste boletim.

•o•


Carlos Drummond de Andrade
drummond: 100 anos n. 5

Agora, para fechar com chave de ouro — ou de prata, como a luz da lua? —, vem o poema “O homem; as viagens”, de Carlos Drummond de Andrade. Aqui, o ponto fulcral é o ser humano. A lua entra apenas como um sonho de conquista espacial. Já na primeira estrofe, o homem, “bicho da Terra tão pequeno” (alô, Camões!), resolve expandir-se para a Lua (aqui também com letra maiúscula: um lugar, o satélite).

Atenção para os oito versos que repetem a palavra “Lua”. Uma repetição que fatalmente conduz a “O homem chateia-se na Lua” (segunda estrofe). Então, o proceso se repete: “Vamos para Marte”. E o que acontece lá? “Coloniza / civiliza / humaniza Marte com engenho e arte” (alô, Camões! outra vez). E assim as coisas vão. Depois de Marte, Vênusm etc. e até o Sol. Então, não há mais aonde ir. Para Drummond, resta ao ser humano fazer uma viagem “de si a si mesmo”, a fim de “civilizar / humanizar / o homem”, descobrindo, em suas próprias entranhas, a alegria de “con-viver”.

É interessante frisar que este poema foi escrito num momento em que estava em alta a chamada corrida espacial, na qual as duas superpotências, Estados Unidos e União Soviética, disputavam, nos campos científico e propagandístico, para ver qual realizava os maiores feitos na conquista do espaço. “O homem; as viagens” é filho legítimo de Drummond, poeta e cronista. Sua primeira aparição se deu no jornal Correio da Manhã, no qual Drummond cronicou de 1954 até 1969.

Outros aspectos se destacam neste poema. Um deles é a deliciosa mescla de linguagem erudita, incluindo citações de Camões, com a linguagem popular e gírias do final dos anos 60: “chatear-se”, “fundir a cuca”, “estar na fossa” e o adjetivo “quadrado”, com o sentido de antiquado, obsoleto. Outro aspecto é a livre criação de palavras, como “insiderável” (que não pode ser queimado ou fulminado), “dangerosíssima” (palavra derivada do inglês danger = perigo) e “con-viver”.

Deixei para o fim o detalhe mais poderoso e intrigante: “O homem; as viagens” foi publicado no jornal em 20 de julho de 1969 — exatamente o dia em que a missão Apolo 11 da NASA permitiu que o homem pisasse pela primeira vez na superfície da Lua. É o poeta-cronista Drummond em todo o seu esplendor.

Este poema antológico não havia aparecido até agora em nenhum número deste boletim. Foi publicado na edição n. 4 da série drummmond: 100 anos (setembro a dezembro de 2002), que deu origem ao poesia.​net.


Um abraço, e até a próxima,

Carlos Machado


•o•

Curta o poesia.​net no Facebook:

facebook


•o•



Compartilhe o poesia.​net

facebook

Compartilhe o boletim nas redes Facebook, Twitter e WhatsApp. Basta clicar nos botões logo acima da foto do poeta.


Poemas ao redor da Lua


• Guilherme de Almeida  • Uaçaí Lopes
• Cassiano Ricardo  • Fernando Mendes Vianna
• Manuel Bandeira
• Carlos Drummond de Andrade


              

Van Gogh - agostina segatoria-1887
Vincent van Gogh, holandês, Agostina Segatori no Café du Tambourin (1887)




• Guilherme de Almeida

NOTURNO

Na cidade, a lua:
a joia branca que boia
na lama da rua.


• Uaçaí Lopes

[APÓS A INVERNADA]

Após a invernada,
a lua banha-se nua
nas poças da estrada.



Van Gogh - bedroom.at.arles-first.version-1888
Vincent van Gogh, Quarto em Arles - primeira versão (1888)


• Cassiano Ricardo

LUA CHEIA

Boião de leite
que a Noite leva
com mãos de treva
pra não sei quem beber.

E que, embora levado
muito devagarzinho,
vai derramando pingos brancos
pelo caminho...

    Do livro Martim Cererê (1928)





Van Gogh - la.mousme-1888
Vincent van Gogh, La mousmé (1888)


• Fernando Mendes Vianna

LITANIA FEROZ

Tempestuosa lua, lua feroz,
uivo no espaço, dentro de nós.
Galhos ao vento, estamos sós,
e nos prostramos, lua feroz.

E nos erguemos, dentro de nós,
uivo longo, longo e sem voz.

Tempestuosa lua, lua feroz,
olho no espaço, longe de nós.
Como governas, longe de nós,
nossas marés e nossos cipós?

Ah! tu governas, dentro de nós,
quando gritamos, mudos e sós.



Van Gogh - still-life.vase.with.fifteen.sunflowers-1888
Vincent van Gogh, Vaso com quinze girassóis (1888)


• Manuel Bandeira

SATÉLITE

Fim de tarde.
No céu plúmbeo
A Lua baça
Paira
Muito cosmograficamente
Satélite.

Desmetaforizada,
Desmitificada,
Despojada do velho segredo de melancolia,
Não é agora o golfão de cismas,
O astro dos loucos e dos enamorados,
Mas tão-somente
Satélite.

Ah! Lua deste fim de tarde,
Demissionária de atribuições românticas;
Sem show para as disponibilidades sentimentais!

Fatigado de mais-valia,
Gosto de ti assim:
Coisa em si,
— Satélite.

    Do livro Estrela da Tarde (1960)





Van Gogh - agostina segatoria-1887
Vincent van Gogh, Autorretrato (1889)


• Carlos Drummond de Andrade

O HOMEM; AS VIAGENS

O homem, bicho da Terra tão pequeno
chateia-se na Terra
lugar de muita miséria e pouca diversão,
faz um foguete, uma cápsula, um módulo
toca para a Lua
desce cauteloso na Lua
pisa na Lua
planta bandeirola na Lua
experimenta a Lua
coloniza a Lua
civiliza a Lua
humaniza a Lua.

Lua humanizada: tão igual à Terra.
O homem chateia-se na Lua.
Vamos para Marte — ordena a suas máquinas.
Elas obedecem, o homem desce em Marte
pisa em Marte
experimenta
coloniza
civiliza
humaniza Marte com engenho e arte.

Marte humanizado, que lugar quadrado.
Vamos a outra parte?
Claro — diz o engenho
sofisticado e dócil.
Vamos a Vênus.
O homem põe o pé em Vênus,
vê o visto — é isto?
idem
idem
idem.

O homem funde a cuca se não for a Júpiter
proclamar justiça junto com injustiça
repetir a fossa
repetir o inquieto
repetitório.

Outros planetas restam para outras colônias.
O espaço todo vira Terra-a-terra.
O homem chega ao Sol ou dá uma volta
só para tever?
Não-vê que ele inventa
roupa insiderável de viver no Sol.
Põe o pé e:
mas que chato é o Sol, falso touro
espanhol domado.

Restam outros sistemas fora
do solar a col-
onizar.
Ao acabarem todos
só resta ao homem
(estará equipado?)
a dificílima dangerosíssima viagem
de si a si mesmo:
pôr o pé no chão
do seu coração
experimentar
colonizar
civilizar
humanizar
o homem
descobrindo em suas próprias inexploradas entranhas
a perene, insuspeitada alegria
de con-viver.




poesia.​net
www.algumapoesia.com.br
Carlos Machado, 2021



• Guilherme de Almeida
      “Noturno”
      in Poesia Vária
      Martins, São Paulo, 1947
• Uaçaí Lopes
      “[Após a invernada]”
      in Voo do Assanhaço
      Edições Açaí, Salvador, 2003
• Cassiano Ricardo
      “Lua Cheia”
      in Poesias Completas
      José Olympio, Rio de Janeiro, 1957
• Fernando Mendes Vianna
      “Litania Feroz”
      in Marinheiro no Tempo (1956-1986) — Antologia
      Thesaurus, Brasília, 1986
• Manuel Bandeira
      “Satélite”
      in Estrela da Vida Inteira
      José Olympio, Rio de Janeiro, 1976
• Carlos Drummond de Andrade
      “O Homem; As Viagens”
      in As Impurezas do Branco
      José Olympio, Rio de Janeiro, 1973
_____________
* Mario Quintana, "O Viajante", in Poesia Completa (2006)
______________
* Imagens: obras de Vincent van Gogh (1853-1890), pintor holandês.