Número 477 - Ano 19

Salvador, quarta-feira, 10 de novembro de 2021

poesia.net header

«Se me buscarem, não vou. / Se me ofertarem, não quero. // Se me disserem quem sou, / direi que não sou, e espero.» (Roberval Pereyr) *

Compartilhe pelo WhatsApp

facebook 
Poeta Teste
Astrid Cabral



Amigas e amigos,

A poeta em foco nesta edição aparece pela primeira vez no boletim, mas com certeza já devia ter aparecido aqui há muito tempo. Trata-se da amazonense Astrid Cabral (Manaus, 1936). Autora de cerca de vinte coletâneas poéticas, Astrid acaba de lançar o livro Coração à Solta, publicado pela editora Kade, de Maricá-RJ. No Brasil, o título vem à luz já em segunda edição. A primeira, bilíngue, saiu na França.

Nesse livro, a poeta se lança na aventura de explorar as mais diferentes modalidades do amor, desde o amor físico inflamado pelas labaredas da paixão até as formas de sublimação dos amores nunca realizados. Nesta edição, apresento ao lado uma seleção de seis textos extraídos de Coração à Solta.

•o•

Comecemos com o poema “Modo de Amar”. Neste caso, o tipo de amor é o explosivo, amor de terremoto. Nas palavras da poeta, “Amor como relâmpagos e sóis / inaugurando auroras / ou ateando faíscas e incêndios / nas trevas da minha noite”. No texto seguinte, “Fusão”, a modalidade amorosa ainda é a mesma: “Sejamos pois um nós / singular e não plural / trançados sem dó / num só nó”.

No poema, “Carestia”, o amor é sopesado como um fenômeno econômico, num processo que envolve “bolsos / e bolsas de moedas raras”, pagamentos, preços altos e juros extorsivos. A conclusão é cruel: sofre mais o idealista que deseja alcançar apenas o amor como lucro nesse espinhoso empreendimento.

Há também amores doídos, mas sem conflitos nem terremotos carnais, como esse que se revela em “Abraço Póstumo”. É o caso do/a amante viúvo/a, que identifica no próprio corpo heranças, tanto visíveis quanto intangíveis, do/a parceiro/a desaparecido/a.

•o•

“Incêndio” é um poema bonito, no qual o outono da vida se apresenta “com folhas de adeus e fogo”. E o coração, sol cansado e poente, ainda assim incendeia. Amor até o último raio, até a derradeira sílaba.

Por fim, “Tragediazinha” encerra a pequena amostra de poemas do livro. Coração à Solta. É a história melancólica porém jocosa da dona de um “morno amor chove-não-molha”. Sem o amor de outro ser humano — que seria o “amor absoluto” —, a personagem “casa-se com a igreja / o fogão a máquina de costura”.

•o•

Mais de uma vez aqui no boletim, já tive a oportunidade de dizer que considero escrever sobre o tema amoroso uma das tarefas mais difíceis da poesia. A razão é simples. Ao longo dos séculos, o amor tornou-se o assunto mais comum dos poemas e canções musicais.

Astrid Cabral enfrenta essa dificuldade e, como se pode ver, consegue sair-se muitíssimo bem, sem deixar de lado nenhum dos aspectos pertinentes ao tema. As alegrias vulcânicas da paixão, as dores do abandono e também as melancolias e compensações dos amores não realizados.

•o•

Astrid Cabral - Nascida em Manaus, transferiu-se ainda adolescente para o Rio de Janeiro, onde fez o curso de Línguas Neolatinas na UFRJ. Como parte da primeira turma de docentes, Astrid lecionou língua e literatura na Universidade de Brasília (UnB, fundada em 1962), da qual foi afastada em 1965, em consequência do golpe militar. Em 1968, ingressou por concurso no Itamaraty. Aí, serviu como oficial de chancelaria em Brasília, Beirute, Rio e Chicago. Após a anistia, em 1988 Astrid foi reintegrada à UnB.

Especificamente na poesia, Astrid Cabral estreou na poesia com o livro Alameda (1963) e daí enfileirou, ao longo dos anos, cerca de vinte títulos, aos quais se juntam títulos de literatura infantil e também de contos. A autora é viúva do poeta goiano Afonso Felix de Sousa, apresentado aqui no boletim n. 337.


Um abraço, e até a próxima,

Carlos Machado


•o•


Curta o poesia.​net no Facebook:

facebook


•o•



Compartilhe o poesia.​net no Facebook, no Twitter e no WhatsApp

facebook

Compartilhe o boletimnas redes Facebook, Twitter e WhatsApp. Basta clicar nos botões logo acima da foto do poeta.



Coração à solta


• Astrid Cabral


              



Wlad Safronow - Anvel with cat
Wlad Safronow, pintor ucraniano, Anjo e gato


MODO DE AMAR

Amor como tremor de terra
abalando montanhas e minérios
nas entranhas da minha carne.
Amor como relâmpagos e sóis
inaugurando auroras
ou ateando faíscas e incêndios
nas trevas da minha noite.
Amor como açudes sangrando
ou caudais e tempestades
despencando dilúvios.
E não me falem de ruínas
nem de cinzas, nem de lama.



Wlad Safronow - Nostalgie 2
Wlad Safronow, Nostalgia 2


FUSÃO

Não te quero
assim a meu lado
e sim em mim.
De tal forma
interpenetrados
que eu deixe de ser eu
e tu de seres tu.
Sejamos pois um nós
singular e não plural
trançados sem dó
num só nó.



Wlad Safronow - Saint Pierre Fisch
Wlad Safronow, Peixe-galo


CARESTIA

Amor custa bem caro.
Mesmo assim depenamos bolsos
e bolsas de moedas raras.
Por ele pagamos, em prestações
nem sempre suaves, quanto
de entrada supúnhamos
de todo não poder:
o alto preço dos sustos
a conta escorchante
das noites em claro
os juros extorsivos
do medo de perdê-lo
a tristeza do saldo zero.
Queixamo-nos de carestia
se de amor-próprio ainda
nos sobra algum trocado,
mas que fazer quando só
amor é o lucro que buscamos?



Wlad Safronow - Eleonore
Wlad Safronow, Eleonore


ABRAÇO PÓSTUMO

Cinge-me o dedo
vizinha à minha
a aliança dele.

No meio da noite
seu par de chinelos
acolhe-me os pés.

Através meus olhos
seus óculos escuros
este mundo espiam.

Também seu relógio
herança em meu pulso
marca vãos minutos.

Chaves e carteira
dele abrem-me portas
de acesso ao tangível.

Metonímia à parte
sinto-me abraçada
não só pelas sobras.



Wlad Safronow - Holiday
Wlad Safronow, Feriado


INCÊNDIO

Um belo dia te acena o outono
com folhas de adeus e fogo.

Um belo dia o outono em teu ombro
pousa chuvas de breve ouro.

Então o tempo te prende em sua teia
e o coração poente te incendeia.



Wlad Safronow - Dame with hund2
Wlad Safronow, Mulher com cachorro 2


TRAGEDIAZINHA

Cansou-se da eterna espera
o morno amor chove-não-molha
e retirou seu cavalinho
da chuva peneirando lá fora.
Casou-se com a igreja
o fogão a máquina de costura
e recheou os frios dias
de tríduos e novenas
biscoitos bolos rendas.
Mas na calada da noite
no recato do escuro
ainda embala o velho sonho
de um amor absoluto.




poesia.​net
www.algumapoesia.com.br
Carlos Machado, 2021


Foto: Fernando Lemos


Astrid Cabral
      in Coração à Solta  2ª ed.
      Prefácio de Alexei Bueno
      Kade, Maricá-RJ, 2021
_____________
* Roberval Pereyr, "Decisão" in Mirantes (2012)
______________
* Imagens: quadros do pintor ucraniano Wlad Safronow (1965-)