poesia.net 404 - Três Poetas

Número 404 - Ano 16

São Paulo, quarta-feira, 1 de agosto de 2018

poesia.net header

«Poetas e escritores. / É assim que se diz. / Logo, poetas não são escritores, então o quê —» (Wislawa Szymborska) *

facebook 
Três Poetas
Heitor Ferraz Mello; Marcílio Godoi; Mia Couto (alto)



Amigas e amigos,

Este boletim está organizado segundo um critério bem diferente de tudo que já foi feito aqui. Não se trata de reunir um punhado de poemas sobre um mesmo tema. A ideia é fazer uma seleção de textos que representem momentos fugazes de poesia. Situações quase bobas, das quais o poeta consegue extrair partículas de emoção.

Ingenuidade. Simplicidade. Beleza pura.

De tudo isso, é fácil intuir que nesses poemas o que brilha não são as metáforas lancinantes, os inteligentes jogos de palavras, os paralelismos bem tramados, as invenções linguísticas. É quase como se o poema já estivesse feito e o poeta se limitasse apenas a recolhê-lo.

É como aquele instante em que a criança, entretida, esboça um gesto incrível, extraordinário. Se alguém tem à mão uma câmera, registra a cena. Se não, aquele momento único se perde para sempre. Com esses poemas também é um pouco assim.

•o•

Tenho a impressão de que os poemas singelos — vamos chamá-los desse jeito — não resultam de um projeto do poeta. Existem muitos trabalhos nos quais o autor planeja formas, métricas, arranjos visuais, ou desenvolve certo número de textos em torno de um mesmo tema.

Na poesia moderna brasileira, um dos projetos mais bem-sucedidos é o Romanceiro da Inconfidência, no qual Cecília Meireles desenvolve poemas sensíveis recontando a história dos inconfidentes mineiros de 1789.

Mas o poema singelo, parece-me, não se enquadra em projetos. Textos assim representam pontos isolados na obra de qualquer autor. É difícil imaginar o poeta tomando a seguinte decisão: agora só vou escrever poemas que flagrem ou retratem situações de pura beleza.

Afinal, o poema de alta simplicidade não obedece a um tema, nem se pressupõe que haja pessoas, momentos ou lugares nos quais (ou com os quais) eles devam acontecer. Dei acima o exemplo de uma criança. Sim, as crianças podem ser uma fonte de beleza singela. Mas nada garante que aquele momento capaz de suscitar um texto especial irá acontecer.

O que se destaca no poema singelo não são os recursos poéticos agenciados para apresentar e descrever a cena, mas a própria cena.

•o•

LIÇÃO

Tarde, a vida me ensina
esta lição discreta:
a ode cristalina
é a que se faz sem poeta.

Carlos Drummond de Andrade, in Corpo (1984)

Pode-se cair na tentação de associar o poema singelo a esta divagação drummondiana. Não procede. Drummond sugere aí um tipo de poema tão puro e tão impessoal que prescindiria até da intervenção do poeta. Mas tudo não passa de um suspiro, um frustrado ai.

Afinal, o simples ato de recolher aquele momento singular, mesmo que o poeta a rigor não elabore e não ponha no poema nada de seu, já implica alguma sensibilidade, uma presença de espírito que uns podem ter, outros não. A verdade é que o poeta sempre está presente, mesmo que finja o contrário.

Além disso, por mais simples que seja, o modo como a cena é apresentada em palavras conta muito para o “resultado” poético. Não fosse assim, qualquer pessoa seria um poeta. Qualquer usuário de celular, sempre com uma câmera na mão, seria um grande fotógrafo.

•o•

Confesso que conceber este boletim foi fácil. Difícil mesmo foi achar os poemas que se enquadrassem na concepção. Passei meses tentando encontrá-los. E de fato não achei muitos. Nesta seleção listo apenas três poemas, escritos pelo paulista Heitor Ferraz Mello, pelo mineiro Marcílio Godoi e pelo moçambicano Mia Couto.

•o•

Se você, que é atento leitor de poesia, conhece outros poemas que aparentemente se ajustam ao conceito de “alta simplicidade”, ajude-nos a aumentar a minguada coleção dessas aves raras da poesia. Conte-nos o que descobriu.

•o•

SOBRE OS AUTORES

Jornalista e mestre em literatura brasileira pela USP, Heitor Ferraz Mello (França, 1964) é autor dos livros de poemas Coisas imediatas [1996-2004] (2004), Pré-desperto (2004), Hoje como Ontem ao Meio-Dia (2002), Um a Menos (2009) e Meu Semelhante (2016), todos publicados pela Editora 7Letras. Ferraz Mello já foi destaque na edição número 116 do poesia.net.

Também jornalista, Marcílio Godoi (Araguari-MG) é ainda arquiteto e mestre em crítica literária e literatura brasileira. Ganhou prêmios com textos em prosa, inclusive infantojuvenil, e publicou em 2016 Estados Úmidos da Matéria (Patuá), seu primeiro livro de poesia. O poema “A Moça Que Veio”, aqui destacado, está nessa coletânea.

O moçambicano Mia Couto, pseudônimo de António Emílio Leite Couto (1955-), é talvez o escritor mais conhecido de seu país. Embora se destaque pela criação em prosa, também escreve poesia, e lançou no Brasil a antologia Poemas Escolhidos (Cia. das Letras, 2016). Mia Couto já esteve aqui no boletim número 358.


Um abraço, e até a próxima,
Carlos Machado




•o•

Curta o poesia.​net no Facebook:

facebook


•o•


Alta simplicidade

• Heitor Ferraz Mello  • Marcílio Godoi
• Mia Couto 


              



Fabio Hurtado - Bus stop - 2000
Fabio Hurtado, pintor espanhol, Parada de ônibus (2000)



• Heitor Ferraz Mello

ÁLBUM DE FAMÍLIA

Então
ele se sentou
num banquinho
ajeitou
o chapéu de feltro
colocou o filho
mais velho
ao seu lado
em pé
e se deixou fotografar

Então
ela se sentou
no murinho
da casa
esticou o vestido
cobrindo os joelhos
sorriu
para a lente
e também
se deixou fotografar



Fabio Hurtado - El Expreso del Norte - 2008
Fabio Hurtado, O Expresso do Norte (2008)



• Marcílio Godoi

A MOÇA QUE VEIO

    A Márcia Bassetto Pires

ela estava contente
com o porta-retratos
que ganhara de aniversário.

tanto que o colocara
na sala de visitas,
sobre a mesinha de centro.

por que a senhora não põe
uma foto da senhora mesma ali,
perguntei sem receio.

ela disse, ah, meu filho,
deixa assim, tá tão bonita
essa moça que veio.




Fabio Hurtado - El deseo - 2009
Fabio Hurtado, O desejo (2009)



• Mia Couto

DOENÇA

O médico serenou Juca Poeira.
Que ele já não padecia da doença
que ali o trouxera em tempos.

E o doutor disse o nome
da falecida enfermidade:
“Arritmia paroxística supraventricular”.

Juca escutou, em silêncio,
com pesar de quem recebe condenação.

As mãos cruzadas no colo
diziam da resignada aceitação.

Por fim, venceu o pudor
e pediu ao médico
que lhe devolvesse a doença.

Que ele jamais tivera
nada tão belo em toda a sua vida.




poesia.​net
www.algumapoesia.com.br
Carlos Machado, 2018



• Heitor Ferraz Mello
   in Coisas Imediatas [1996-2004]
   7Letras, Rio de Janeiro, 2004
• Marcílio Godoi
   in Estados Úmidos da Matéria
   Patuá, São Paulo, 2016
• Mia Couto
   in Poemas Escolhidos
   Seleção do autor. Apresentação de José Castello
   Cia. das Letras, São Paulo, 2016
_____________
* Wislawa Szymborska, "Medo do Palco" in Um Amor Feliz,
  trad. Regina Przybycien
______________
* Imagens: obras de Fabio Hurtado (Madri, 1960-), pintor espanhol