Número 4

09/03/2012

«A poesia verdadeira é a mais fingida.» (Shakespeare) *
 


   Carybé - Chuva

 

 Caros,

Nesta página, como num blog, pretendo registrar notícias e observações variadas.

Carlos Machado


 

 



 

O poeta armado

 


DRUMMOND E O TRABALHO POÉTICO


"Entendo que poesia é negócio de grande responsabilidade, e não considero honesto rotular-se de poeta quem apenas verseje por dor-de-cotovelo, falta de dinheiro ou momentânea tomada de contato com as forças líricas do mundo, sem se entregar aos trabalhos cotidianos e secretos da técnica, da leitura, da contemplação e mesmo da ação. Até os poetas se armam, e um poeta desarmado é, mesmo, um ser à mercê de inspirações fáceis, dócil às modas e compromissos. Infelizmente, exige-se pouco do nosso poeta; menos do que se reclama ao pintor, ao músico, ao romancista..."


Carlos Drummond de Andrade
em “Autobiografia para uma revista”,
no livro Confissões de Minas (1944).
In Prosa Seleta, Nova Aguilar, 2003.



ARMANDO FREITAS FILHO FALA SOBRE OS TOQUES DE DRUMMOND

Uma vez ele falou para Lelia Coelho Frota: "Você tem que ver os poemas que abrem o seu livro, os que jogam no meio e os que fecham". Fui até ele e perguntei como se fazia isso. Ele disse: "É você que tem que saber como se faz isso". Essa é uma coisa que procuro fazer sempre e me pergunto se estou fazendo certo. Ele dava uns toques assim; nunca era peremptório. Minha conversa com ele era mais sobre a vida, sobre o que eu devia fazer. Eu contava o que eu estava lendo e ele nunca me disse "você deve ler isso". Era muito delicado e carinhoso.

O poeta Armando Freitas Filho, em depoimento ao caderno Sabático, de O Estado de S. Paulo, 10/03/2012

 

 

poesia.net
Outras Palavras

Carlos Machado, 2012

•  Outras Palavras
    Início desta página: 09/03/2012
   
Término da página: 09/03/2012
______________
*
William Shakespeare, em Como Gostais,
Ato III, Cena III: Toque